fbpx
Notícias

Violência contra a mulher: crime que se confunde com paixão

Dar nomes e entender o ciclo das diversas formas de agressão é um passo importante na luta contra violências de gênero

“Quis criar o impacto de duas verdades”, disse Elizabeth Fleury, uma das organizadoras do Dicionário Feminino da Infâmia sobre o nome do livro. A primeira verdade seria a do “feminino” como símbolo da delicadeza, a segunda a da “infâmia” como representação da má reputação. Verdades que se cruzam quando relações de poder transformam em infame o que é feminino – mas, para entender isso, é preciso ir além do nome do livro.

Parte da exposição de março da Galeria de Arte da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Dicionário Feminino da Infâmia reúne quase duas centenas de verbetes que tratam de temas ligados a desigualdades entre homens e mulheres e a lutas feministas pela sua superação. A obra está ao lado de objetos, recortes e vídeos que contam as histórias dessas lutas que garantiram direitos hoje consolidados, como o do voto e o do divórcio.

A mostra, bem como o evento Sempre vivas – Mulheres em luta contra a violência, integra a extensa programação que a ALMG preparou para o mês de março, para comemorar o Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 8. Todos esses eventos salientam as conquistas e as reivindicações femininas ainda sem resposta. E a história nos mostra que apenas dando nomes às situações que devem ser superadas, será possível avançar.

Esfera privada do casal naturalizou agressões

Chamar de “passional” a violência física contra mulheres impetrada por homens com os quais elas se relacionavam, por exemplo, já ajudou a naturalizar agressões por décadas.

Segundo o documento “Panorama da Violência contra as Mulheres no Brasil”, publicado em 2018 pelo Senado Federal, até a década de 1970, esse tipo de ofensiva era considerada aceitável pela população na medida em que fazia parte apenas da esfera privada. É a representação do dito popular que reitera que “em briga de marido e mulher, não se mete a colher”.

ALMG

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
error: Conteúdo protegido !!