fbpx
Nacional

Um ano após morte de Marielle, assessora que escapou fala sobre crime

A jornalista Fernanda Chaves estava ao lado de Marielle Franco no momento em que ela foi atingida por uma rajada de tiros e morreu, há um ano, no Rio de Janeiro. Ela era assessora da vereadora e sobreviveu ao atentado, que também matou o motorista Anderson Gomes.

Em entrevista ao jornal português Diário de Notícias, Fernanda falou sobre o assassinato e sobre o desenrolar das investigações.

Ela, que chegou a viver fora do país, sob proteção da Anistia Internacional por se encontrar em situação de risco, está de volta ao Brasil, embora prefira não falar sobre seu destino.

Em relação à apuração do crime, prefere a prudência. “Não devo dar respostas, tenho é o direito de recebê-las.”

Em todo caso, disse estar assustada por a polícia suspeitar de uma milícia, o Escritório do Crime, cujos chefes têm forte ligação ao clã Bolsonaro. “Não dá para negar, pelo perfil do crime, pela arma utilizada, que há envolvimento de milícias. E não é novidade que a família do presidente Jair Bolsonaro tem ligação com as milícias – ele já as exaltou e o filho dele homenageou polícias envolvidos em milícias”, comentou.

“As ligações de Bolsonaro e do filho, através de muitos membros dos seus gabinetes, a milícias e, mais precisamente, ao grupo miliciano acusado de executar a Marielle, são aterrorizantes. E têm de ser investigadas e cobradas. Mas a minha avaliação sobre o assunto acaba aí. Quem tem de falar são as autoridades”, completa.

Quando questionada sobre as suspeitas envolvendo Marcelo Siciliano, deputado estadual pelo PHS, e a disputa por território como possível motivação para o crime, a assessora duvida.

“Acho uma loucura. Diz-se que seria por uma disputa de território mas a Marielle não fazia disputa territorial, não era esse o tipo de atuação dela. Por isso, parece-me um engano. Ou uma enorme cortina de fumaça”.

Para ela, “Marielle foi morta por causa do seu pensamento: foi um crime político”. “E a extrema-direita tem que ver com esse crime bárbaro. E as milícias estão ao serviço da extrema-direita. Basta ver quem são os políticos que as homenageiam e quem são os políticos que elas ajudam a eleger. É assustador. E o Brasil tem de dar uma resposta para o mundo”, cobra.

Fernanda Chaves também destaca que, “enquanto não descobrirem os autores e os mandantes, sobretudo os mandantes, do crime”, ela não poderá voltar ao Rio. Mas completa explicando que não é testemunha ocular e, por isso, não tem por que se esconder.

“Não tenho muito mais a contribuir com informações porque não vi nada, nem percebi nada a não ser a rajada de tiros, logo, não sou propriamente uma testemunha ameaçada. Mas, quando a gente não sabe quem disparou e quem mandou disparar, a gente não sabe como e de quem se proteger, não é? Eu trabalhei toda uma vida no Parlamento do Rio e veio à tona que parlamentares podem estar envolvidos, por isso como é que eu posso voltar a um lugar onde está gente que pode ser responsável do atentado a um carro onde eu estava?”, disse ela.

Fonte:Brasil ao minuto

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
error: Conteúdo protegido !!