fbpx
EconomiaNacional

Saiba como ficará o Imposto de Renda se a tabela for corrigida pela inflação

O reajuste da tabela de Imposto de Renda pela inflação, cogitado pelo presidente Jair Bolsonaro neste domingo, elevaria em R$ 76,92 o teto da faixa salarial isenta, para R$ 1.980,90. O cálculo considera a projeção de 4,04% para a inflação oficial, o índice IPCA, dos economistas ouvidos pelo boletim Focus, do Banco Central (BC). Já no caso da faixa sobre a qual incide a maior alíquota, a de 27,5%, o piso aumentaria em R$ 188,45, passando a valer para todos que ganham acima de R$ 4.853,13. As informações são do Extra.

Especialistas consideram que correção aventada por Bolsonaro atenuaria a defasagem acumulada pela tabela do IR diante da inflação, que é de 95,46% nos últimos 22 anos, segundo cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional). Caso a tabela de IR fosse corrigida integralmente desde 1996, os contribuintes que ganham até R$ 3.689,93 por mês seriam isentos do imposto, em vez de um teto de R$ 1.903,98, como há hoje.

Se o governo decidir corrigir a tabela do Imposto de Renda em 2020, as faixas de renda nas quais se aplicam as alíquotas mudariam e mais brasileiros ficariam isentos.

Como é hoje

Até R$ 1.903,98 – isento

De R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65 – alíquota de 7,5%

De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05 – alíquota de 15%

De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68 – alíquota de 22,5%

Acima de R$ 4.664,68 – alíquota de 27,5%

Como ficaria*

Até R$ 1.980,90 – isento

De R$ 1.980,91 até R$ 2.940,85 – alíquota de 7,5%

De R$ 2.940,86 até R$ 3.902,59 – alíquota de 15%

De R$ 3.902,59 até R$ 4.853,13 – alíquota de 22,5%

Acima de R$ 4.853,13 – alíquota de 27,5%

Como seria se defasagem desde 1996 fosse corrigida

Até R$ 3.689,57 – isento

De R$ 3.689,58 até R$ 5.477,56 – alíquota de 7,5%

De R$ 5.477,57 até R$ 7.337,77 – alíquota de 15%

De R$ 7.337,78 até R$ 9.168,45 – alíquota de 22,5%

Acima de R$ 9.168,45 – alíquota de 27,5%

*Reajustada com base na projeção de 4,04% para a inflação este ano, que consta do Boletim Focus, do Banco Central

Fonte: Sindifisco Nacional

“A base de incidência dos impostos evolui naturalmente porque a renda das pessoas sobe todo ano, pelo menos acompanhando a inflação. Pela mesma lógica do aumento da renda, a tabela do IR também deve acompanhar a inflação”, contextualiza Raul Velloso, economista especialista em contas públicas: “Toda correção é melhor do que nenhuma”.

No entanto, a mudança levaria à perda de arrecadação pelo governo, justamente em um momento de fragilidade fiscal. Espera-se que o país registre déficit fiscal pelo menos até 2022, e o governo prepara novo contingenciamento para o fim do mês, depois de ter bloqueado R$ 29,8 bilhões do Orçamento em março.

“Com o reajuste da tabela de IR, o contribuinte passará a pagar menos e, consequentemente, o governo arrecadará menos. O que acredito é que o presidente está confiante que a reforma da Previdência será aprovada este ano. Desta forma, caso assim seja, em 2020 ele terá realmente como fazer estas medidas”, disse o economista Luiz Roberto Cunha, economista e professor da PUC/RJ.

Cunha ressaltou que, caso a reforma não passe e a economia continue em recuperação lenta, a entrada em vigor da correção da tabela de IR pode agravar o quadro fiscal.

Luiz Benedito, diretor do Sindifico Nacional, ponderou, porém, que a renúncia fiscal seria pequena com o reajuste da tabela. Desde 2015 ela não é atualizada. Naquele ano, em mensagem enviada ao Congresso, o Executivo estimou em R$ 6,46 bilhões por ano o impacto fiscal do reajuste, que foi de percentual diferente para cada uma das faixas de arrecadação. Na média, a atualização daquele ano foi de 5,6%.

“Reajustar a tabela pela inflação deste ano certamente teria impacto fiscal menor do que em 2015, dada a magnitude do reajuste. É muito pouco diante dos cerca de R$ 154 bilhões que a Receita arrecadou com IR de pessoas físicas em 2017”, estimou Benedito: “A atualização das faixas pelo menos faria com que a defasagem parasse de crescer”.

Segundo a especialista em contas públicas e professora do Coppead/UFRJ Margarida Gutierrez, a correção coloca o IR em um patamar neutro:

“Os governos anteriores, ao não reajustar a tabela, optaram por aumentar a base impositiva do imposto. Ao querer fazer esse reajuste, o governo sinaliza que não vai buscar aumentar a arrecadação por meio desse tributo. Agora, ir além da neutralidade seria adotar uma política de menos arrecadação, e não há qualquer espaço fiscal para isso“.

Fabio Klein, analista de finanças públicas da da Tendências Consultoria, vê espaço fiscal para a mudança na tabela. Embora pondere que o Brasil não conseguirá um superávit primário antes de 2023, ele não acredita que a medida desequilibre a trajetória fiscal já esperada para o ano que vem.

“É claro que, quanto mais receita você tiver, melhor. Mas, se pensarmos em termos de meta para resultado primário e regra do teto de gastos, não há grande risco para que o descumprimento das duas este ano. Além disso, o reajuste da tabela está previsto para o ano que vem, quando, espera-se, a economia deve crescer mais do que em 2019, reduzindo o impacto fiscal da medida“, disse.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.