DestaqueGeralInternacional

Preocupação aumenta na Europa com novos casos de coronavírus

O aumento do número de casos na Alemanha, o avanço da doença na França e a propagação na Espanha provocam um alerta na Europa ante uma nova onda de COVID-19, uma pandemia que continua provocando muitos danos na América Latina.

Ao redor do planeta os governos intensificam as restrições para conter o vírus e começam a debater a aplicação obrigatória ou não de uma futura vacina.

A Europa, que adotou medidas drásticas em março para achatar a curva de propagação da doença, está em alerta com um possível novo surto, no momento em que as férias de verão (hemisfério norte) se aproximam do fim.

O Velho Continente registra mais de 211.300 mortes desde o início da pandemia.

A Alemanha registrou nas últimas 24 horas 1.707 novos infectados por coronavírus, o maior número desde abril, quando o país estava no pico da pandemia, de acordo com números oficiais publicados nesta quinta-feira.

As autoridades intensificam as advertências com o aumento dos casos de contágio, vinculados parcialmente ao retorno dos alemães que passaram férias no exterior. O país registrou mais de 228.000 casos em seu território desde o início da pandemia.

“A duplicação de casos adicionais observada a cada dia na Alemanha nas últimas três semanas constitui uma evolução que não deve continuar e que precisamos cortar”, afirmou a chanceler Angela Merkel.

A situação levou o governo alemão a declarar praticamente todo o território da Espanha e parte dos Bálcãs, áreas preferenciais para os turistas alemães, como zonas de risco e adotar testes e quarentenas para os viajantes que retornam destas regiões.

– “Inação” –

Ma Espanha, o balanço de vítimas fatais semanais dobrou e chegou a 131, de acordo com os números de quarta-feira. Madri é novamente um foco importante da epidemia, com números que recordam os piores dias da crise de saúde. A capital e sua região contabilizaram quase 6.700 de casos nas últimas 24 horas, o que eleva o total a 370.000 desde o início da pandemia.

 

A Espanha é o país do oeste a Europa com mais novos contágios.

O ministério da Saúde decretou na semana passada o fechamento de discotecas e a proibição de fumar nas ruas quando não é possível manter uma distância de segurança de dois metros. O governo já havia determinado o uso obrigatório de máscara.

Na França, os contágios por COVID-19 também dispararam: nas últimas 24 horas foram registrados 3.700 novos casos, uma alta que não acontecia desde maio.

Para tentar frear o avanço, as autoridades estão ampliando a obrigatoriedade do uso de máscara em mais regiões e cidades.

Neste contexto, o retorno às aulas presenciais em vários países, dentro de algumas semanas, virou uma questão complexa que preocupa as famílias e os professores. Em Madri, por exemplo, os sindicatos convocaram uma greve dos professores e criticaram a “inação” no preparo do retorno às aulas.

 

– América Latina –

Desde o surgimento na China em dezembro, o novo coronavírus matou mais de 787.000 pessoas e infectou mais de 22,4 milhões em todo o planeta, segundo um balanço da AFP com base em dados oficiais.

Na América Latina e Caribe, região do mundo mais afetada pelo vírus, a Colômbia superou a marca de meio milhão de contágios – no mês passado eram pouco mais de 175.000 infectados. Em 24 horas o país registrou 13.056 novos contágios, um recorde diário.

Peru, terceiro país mais afetado do continente, atrás de Brasil e México, ultrapassou 550.000 casos e chegou a 26.834 óbitos.

– Torcedores nas arquibancadas na China –

Na China, marco zero da pandemia, a vida normal retorna pouco a pouco e no próximo sábado, pela primeira vez desde o início da epidemia, centenas de torcedores serão autorizados a entrar em um estádio para assistir uma partida da Superliga de futebol do país.

Na área médica, a busca por uma vacina eficaz contra o vírus está cada vez mais acelerada e os países já iniciaram o debate sobre a obrigatoriedade ou não do eventual tratamento.

A Comissão Europeia anunciou nesta quinta-feira que reservou 225 milhões de doses da potencial vacina do laboratório alemão CureVac, o quarto acordo do tipo entre a União Europeia (UE) e a indústria farmacêutica.

Nos Estados Unidos, país mais afetado do mundo com 172.965 mortes (1.286 vítimas fatais nas últimas 24 horas), a vacina não será obrigatória. Uma parte da população já reclama de outras medidas mais simples, como o uso de máscaras.

Na Austrália, o primeiro-ministro Scott Morrison anunciou que a vacinação contra a COVID-19 deveria ser obrigatória.

burs-es/bl/fp

Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios