NotíciasSaúde

Pesquisadores vão analisar amostras de esgoto de BH para detectar coronavírus

Estudo do INTC deve permitir o monitoramento da carga viral em 20 pontos de Belo Horizonte e da região metropolitana

Pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) ETEs Sustentáveis, sediado na UFMG, devem analisar na próxima semana amostras de esgoto para realizar mapeamento epidemiológico do novo coronavírus. Inicialmente, o estudo será feito na Região Metropolitana de Belo Horizonte, com o objetivo de identificar regiões onde há maior ocorrência do vírus.
O estudo, conduzido pelos professores Carlos Chernicharo, César Rossas Mota e Juliana Calábria, mapeará 20 pontos ao longo dos Ribeirões do Onça e do Arrudas. Segundo Carlos, com a análise será possível sinalizar às autoridades de saúde locais em que o vírus está circulando com maior intensidade. Isso deve permitir uma ação precisa em pontos estratégicos. “A grande maioria das pessoas tem o vírus e não demonstra a doença. Com a amostra de esgoto, possivelmente poderemos indicar de maneira indireta a quantidade de pessoas com o vírus, mesmo que essas pessoas estejam assintomáticas”.
Outra implicação importante levantada pela pesquisa está relacionada à transmissão do novo coronavírus. Atualmente o que se sabe sobre o vírus é que a sua disseminação costuma ocorrer por contato pessoal com secreções contaminadas. Mas estudos recém-publicados mostram a possibilidade da propagação do vírus pelas fezes. O que, de acordo com o INCT, pode despejar uma enorme carga viral em rios, já que apenas 46% do esgoto no país são tratados, segundo a edição de 2018 do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). “Existe um risco. Mas, atualmente, nenhum estudo no mundo confirmou a transmissão feco-oral. O fato de o vírus ter sido detectado nas fezes pode não significar que ele esteja ativo”, tranquiliza Carlos.
Custeado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), o estudo alerta ainda para a importância dos cuidados que devem ser tomados por trabalhadores e pesquisadores do setor. “Os profissionais que atuam na área de esgotamento sanitário, como os que operam as redes coletoras e estações de tratamento, e os pesquisadores que manuseiam amostras de esgoto não podem abrir mão de medidas como a utilização de equipamentos de proteção individual, para evitar a ingestão inadvertida de esgoto, ainda que por meio da ingestão de aerossóis (partículas finíssimas, sólidas ou líquidas, suspensas no ar), para evitar a contaminação.”
Fonte
Estado de Minas
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios