fbpx
Nacional

Pedestre é condenada a pagar conserto de carro após ser atropelada

Automóvel teria subido em uma mureta e colidido contra outro veículo após desviar da mulher que teria atravessado fora da faixa

Uma mulher atropelada foi condenada a pagar R$2,8 mil pelos prejuízos causados ao automóvel após entrar com uma ação pedindo reparação pelo acidente em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. O caso tramitou no 1º Juizado Especial Cível da comarca do município, foi divulgado nesta quinta-feira (28).

O acidente aconteceu em junho de 2017. Conforme o TJSC, ela teria atravessado uma movimentada avenida de Chapecó fora da faixa destinada aos pedestres quando foi atropelada e não houve indícios, segundo o TJ, de que a motorista do automóvel dirigia em alta velocidade ou sob efeito de álcool ou drogas.

A pedestre teria admitido que teria optado atravessar no local mais próximo ao seu destino em vez de andar até a faixa de pedestres, que seria o local mais seguro – na avenida onde o atropelamento aconteceu existem faixas a cada 100 metros de acordo com o TJSC. No acidente, o automóvel teria subido em uma mureta e colidido contra outro carro após tentar desviar da pedestre.

Na sentença, foi ressaltada a responsabilidade da pedestre ao atravessar fora da faixa. “Houve, por parte da autora, falta de cuidado ao atravessar uma rua movimentada, parando em meio à pista para tentar concluir a passagem, razão pela qual, ao ingressar na via fora da faixa de segurança destinada aos pedestres, ‘entrou na frente’ do veículo e deu azo ao acidente, restando incontroverso que a culpa pelo evento é da autora e não da ré”, diz o texto.

A sentença que determinou a condenação citou também o artigo 254 do Código Brasileiro de Trânsito (CTB) que prevê penalidade a pedestres e ciclistas de acordo com o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC).

Os procedimentos administrativos relacionado às autuações haviam sido padronizados em outubro de 2018 e estava prevista para entrar em vigor nesta sexta-feira (1°). Entretanto, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) anunciou ainda nesta manhã que a medida foi revogada alegando que o assunto exige mais discussão. A resolução foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, dia 1° de março.

Conforme o TJSC, a condenação se mantém porque “a decisão foi baseada na conduta da pedestre, não propriamente na norma referente a pedestres”.

Fonte
NSC Total

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.