DestaquePolítica

MPF barra procurador indicado por Bolsonaro para comissão sobre a ditadura

O Conselho Superior do Ministério Público Federal (MPF)rejeitou, em sessão nesta terça-feira, 6, o nome do procurador Ailton Benedito para integrar a Comissão Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos – conhecido por suas posições à direita, ele havia sido indicado pelo presidente Jair Bolsonaro numa tentativa de mudar a cara do órgão, considerado pelo governo de viés contrário ao período da ditadura militar.

Ele ocuparia o lugar do procurador Ivan Marx, mas o seu nome foi rejeitado por 6 votos a 4, inclusive com o voto contrário da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que havia defendido anteriormente a sua indicação.

Ativo nas redes sociais, Benedito ficou conhecido por atacar o PT, criticar os perseguidos pela ditadura e por dizer que o nazismo que era um movimento ideológico de esquerda, tese que é rechaçada até pelo Museu do Holocausto, em Israel.

Logo após sua indicação ter recebido críticas de lideranças políticas, como a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), militantes e entidades de direitos humanos, Benedito postou no Twitter: “Só a militância político-midiática esquerdista e a, agora, ex-presidente fingem se surpreender com as mudanças na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. A bem da verdade, o governo demorou muito para executar tais mudanças absolutamente previsíveis”, escreveu.

Logo após a decisão, também no Twitter, o procurador, que se identifica como conservador em sua biografia na rede social, disse que “independentemente da decisão do CSMPF sobre a minha designação para o integrar a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, o mais importante é que a verdade se mostra nua e crua, doa a quem doer, como uma trave nos olhos”.

Segundo ele, o conselho entendeu que não cabe ao presidente da República designar membro do MPF para integrar a comissão, mas à Procuradoria-Geral da República. VEJA ainda não conseguiu confirmar a informação.

 

Fonte
MSN

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
%d blogueiros gostam disto: