Entretenimento

Mais de 600 mil pedem anulação de filme do Porta com Jesus gay

Porta dos Fundos lança episódios especiais de Natal com sátiras religiosas desde 2013 e a produção deste ano deu o que falar. O filme ‘A Primeira Tentação de Cristo’, disponível na Netflix desde o início de dezembro, se passa no aniversário de 30 anos de Jesus, interpretado por Gregório Duvivier. Após 40 dias de jejum no deserto, ele retorna para casa na companhia de um amigo, Orlando (Fábio Porchat), com quem vive um romance homossexual.

O enredo polêmico virou alvo de grupos religiosos e de parte do público. Um abaixo-assinado pedindo que o episódio saia do ar conta com mais de 600 mil assinaturas. O documento, que tenta pressionar o Porta dos Fundos, Netflix, Câmara dos Deputados e o Senado Federal, alega que a produção “ofende os cristãos”.

Dom Henrique Soares da Costa, bispo da Diocese de Palmares, em Pernambuco, publicou uma nota de repúdio à produção do grupo de comédia. No texto, o religioso pede para que os fiéis cancelem suas assinaturas do serviço de streaming por conta do especial de Natal.

“Um filme blasfemo, vulgar e desrespeitoso para com o nosso Deus e Senhor Jesus Cristo (…) A Netflix deu um bofetão no rosto de todos os cristãos. Cuspiu na nossa cara e zombou da nossa fé”, escreve.

O pastor evangélico e deputado federal Marco Feliciano também não aprova o filme e chegou a sugerir a união das igrejas contra o Porta dos Fundos. O deputado federal Eduardo Bolsonaro diz que enxerga o episódio como um “ataque”. Duvivier ironiza as críticas nas redes sociais. “Caramba, está todo mundo assistindo mesmo”, diz no Twitter.

Porchat também tratou a polêmica com ironia. “Gente, pode deixar que eu me resolvo com Deus. Tá ‘de boas’, não precisa se preocupar”, escreve.

Yahoo

Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios