Política

Deputados aprovam transformar Embratur em agência; Maia diz que prioridade da Câmara é Covid-19

Deputados aprovaram em sessão virtual, nessa segunda-feira, a Medida Provisória que transforma a Empresa Brasileira de Turismo, Embratur, em uma agência.

O relator, deputado Newton Cardoso, do MDB, fez algumas modificações do texto original que veio do governo. A proposta permite à Embratur ajudar no processo de repatriação de brasileiros que não conseguem voltar ao Brasil em casos de calamidade pública, como o que estamos vivendo agora em razão do coronavírus.

O deputado Samuel Moreira, do PSDB, argumentou que, com a medida, a Embratur ganha autonomia e reorganiza as competências do governo com relação à promoção do turismo no Brasil.

Apesar da fácil aprovação do texto principal, a proposta sofreu resistências em alguns pontos, que foram destacados. Ou seja, votados em separado.

O deputado Marcelo Ramos, do PL, fez críticas ao artigo que aumentava gradativamente o imposto de renda retido na fonte, cobrado por remessas ao exterior, destinadas à cobertura de gastos pessoais de brasileiros em viagens de turismo ou negócios.

Até 2019, incidiam 6% sobre as remessas. Os aumentos propostos podiam chegar a 15,5% em 2024. O trecho do texto original foi derrubado pela maioria dos parlamentares.

Antes do início da sessão, ao ser questionado por jornalistas sobre a crise do governo na última semana, o presidente da Casa, Rodrigo Maia, afirmou que a prioridade da Câmara dos Deputados é o enfrentamento à Covid-19.

Sobre o projeto que libera uma ajuda emergencial aos estados, já aprovado pela Câmara, e que está em análise pelo Senado, Maia disse que os senadores têm legitimidade para melhorar ou manter o texto, que garante recomposição de impostos aos estados e municípios.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios