DestaquePolícia

Delegado e policiais civis são alvos de operação contra crimes no departamento de trânsito em MG

Segundo investigações, grupo é investigado por crimes como organização criminosa e corrupção no setor de documentação de veículos em Varginha e Elói Mendes

Um delegado, policiais civis e servidores do Departamento de Trânsito (Detran) são alvos de uma operação do Ministério Público de Minas Gerais que investiga crimes como organização criminosa e corrupção em um esquema no setor de trânsito das cidades de Varginha e Elói Mendes (MG).

A Operação “Êxodo 23”, que tem apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, cumpre 37 mandados judiciais – 16 de prisão preventiva e 21 de busca e apreensão nesta quinta-feira (5). Destes, oito são contra os policiais civis, incluindo o delegado.

Segundo o Ministério Público, além do delegado, dos policiais e servidores, a quadrilha tinha participação de despachantes de veículos e pessoas apontadas como receptadoras.

As investigações, que começaram há dois anos, identificaram pagamento de propina a policiais civis do Detran. No esquema, o grupo favorecia suspeitos em investigações que envolvem desmanches de veículos, atestava vistorias falsas, agilizava emissão de documentos e autorizava emplacamentos fora do setor de trânsito.

Além das prisões, os alvos devem ser proibidos de exercer a profissão e afastados do serviço público. Eles devem responder por crimes como organização criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, usurpação de função pública, inserção de dados falsos em sistema de informação, receptação qualificada e associação criminosa.

Investigações

A operação começou com desdobramento da Operação Calhambeque, realizada entre  2017  e 2018. Junto com a Operação Frankestein, foram cumpridos mandados judiciais em Minas Gerais e São Paulo.

Grupos eram investigados por receptação de automóveis e peças roubadas, furtadas e por fraudes contra seguradoras no Sul de Minas Gerais. A partir da Operação Calhambeque, o MP realizou outras quatro investigações.

Na época, o MP ofereceu quatro denúncias e fez o pedido de prisões preventivas. Ao todo, foram:

  • Três denunciados por corrupção ativa e passiva;
  • Quatro denunciados por corrupção ativa, passiva e falsidade ideológica;
  • 10 denunciados por associação criminosa, inserção de dados falsos em sistema de informação, falsidade ideológica e receptação qualificada;
  • 18 denunciados por organização criminosa, corrupção ativa e passiva, usurpação de função pública e falsidade ideológica.

G1/Sul de Minas

Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios