DestaquePolíticaSaúde

Críticas de Bolsonaro contra quarentena abrem crise institucional no Brasil

A oposição do presidente Jair Bolsonaro aos períodos de quarentena impostos por vários estados brasileiros para frear a propagação do novo coronavírus provocou panelaços e críticas de políticos e médicos, que denunciaram a “irresponsabilidade” do presidente.

Bolsonaro, diferentemente das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), considerou as medidas adotadas por São Paulo e Rio de Janeiro com potencial para arruinar a economia do país.

O presidente, de 65 anos, chegou a afirmar que graças ao seu “passado de atleta”, caso contraísse a Covid-19, “não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho”.

Em comunicado, as entidades de saúde coletiva e da bioética consideram “intolerável e irresponsável” o “discurso da morte” feito pelo Presidente da República.

O presidente do Senado, David Alcolumbre, que contraiu o vírus e está em isolamento domiciliar, também considerou “grave” a postura de Bolsonaro, que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Neste momento grave, o País precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população”, acrescentou.

“Há uma crise institucional, com essa ruptura do presidente com lideranças do congresso e do judiciário, e com governadores”, explica Michael Mohallem, professor de Direito de la Fundação Getúlio Vargas.

– “Caos” e “roubos”

Ao criticar as medidas que ameaçam agravar o desemprego, que afeta quase 12 milhões de brasileiros, Bolsonaro segue os passos de Donald Trump, de quem é um fervoroso admirador.

“Deve-se voltar ao trabalho muito antes do que as pessoas pensam”, disse Trump à Fox News na terça-feira.

Uma fórmula reproduzida por Bolsonaro, com uma visão apocalíptica das possíveis consequências econômicas e sociais das medidas de confinamento.

“Se tivermos problemas, que devemos ter, como saques a supermercados, entre outras coisas, o vírus continuará entre nós. Não foi embora o vírus. Vamos ficar com o caos e com o vírus. O que precisa ser feito? Botar esse povo para trabalhar”, declarou na saída da residência oficial em Brasília.

– “O governo nas mãos de um vírus” –

Em várias cidades, desde a última semana acontecem panelaços à noite, como forma de crítica a Bolsonaro. Na última terça, durante o seu discurso transmitido na rádio e na televisão, as panelas fizeram mais barulho do que nunca.

A palavra “impeachment” é ouvida cada vez com maior frequência, até mesmo por figuras políticas de centro.

Mas Mohallem considera um cenário pouco provável.

“Fazer avançar um impeachment acaba respondendo à estratégia do Bolsonaro do jeito que ele queria”, afirma.

“Se a crise, que já matou 46 pessoas no Brasil e todos os dias mata aos milhares pelo mundo, for controlada, sairá com um discurso forte contra quem escolheu a prudência neste momento. Se a crise seguir as previsões do próprio corpo técnico do governo e bater forte por aqui, a conta recairá sobre ele”, finaliza.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios