DestaqueNotícias

Coronavírus: em 3 pontos, o que o Brasil pode perder no cenário internacional ao omitir dados de covid-19

A decisão do governo brasileiro de limitar o acesso aos dados sobre a pandemia do coronavírus no país e a possibilidade de que o número de vítimas seja recontado pode reduzir investimentos estrangeiros, complicar o acesso a empréstimos internacionais, dificultar viagens de brasileiros ao exterior e até atrapalhar a entrada do Brasil no grupo de países ricos OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). É o que dizem especialistas em relações internacionais e saúde pública ouvidos pela BBC News Brasil.

“Existe um acordo tácito entre os mais diversos países do mundo de expor o que está acontecendo em cada lugar como uma forma de conter globalmente o problema. Ao reduzir a transparência sobre seus dados, o Brasil passa a ser um risco para a comunidade internacional”, afirma o epidemiologista Rafael Meza, especialista em políticas de saúde pública da Universidade de Michigan.

Na última sexta-feira, após sucessivos atrasos na divulgação do boletim epidemiológico, que trazia não apenas os novos casos de mortes e contaminados, como também o total de doentes e vítimas fatais, o número de óbitos sob investigação e a discriminação dos dados por Estados, o portal do governo federal com as informações foi retirado do ar. Quando voltou, constava no site apenas a estatística de mortes e casos referentes ao dia da divulgação.

“Tem que divulgar os mortos no dia. Por exemplo, ontem, praticamente dois terços dos mortos eram de dias anteriores, os mais variados possíveis. Tem que divulgar o do dia. O resto consolida para trás”, afirmou o presidente Jair Bolsonaro, ainda na sexta-feira, ao justificar a mudança. Com mais de 700 mil casos e 37 mil mortes, o Brasil já é considerado um novo epicentro da pandemia.

“Ao restringir o acesso às informações, o governo apenas piora a percepção sobre a gravidade da crise e aumenta a desconfiança do público internacional em relação à condição do país de gerir a epidemia e a recessão econômica”, afirma Gabrielle Trebat, ex-subsecretária de assuntos empresariais no Departamento do Tesouro americano e atualmente consultora de investimentos para América Latina da McLarty Associaties.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios