fbpx
Nacional

Condenado, segurança que matou jovem no Extra não podia ser vigilante

 

O segurança Davi Amâncio, que matou o jovem Pedro Henrique Gonzaga em uma unidade do supermercado Extra na última quinta-feira (15) não poderia estar trabalhando como vigilante. As informações são do Fantástico, da TV Globo.

Davi já foi condenado a três meses de prisão em regime aberto por lesão corporal depois de agredir uma ex-companheira. A mulher relata que, após uma discussão por ciúmes, ele a agrediu em frente aos seus filhos com vários socos no rosto.

De acordo com a lei, por conta da condenação, Davi não poderia trabalhar como vigilante. Ele fez o curso para se tornar segurança em maio de 2017 e foi contratado no mesmo ano. Sua condenação foi dada alguns dias depois da contratação.

A Polícia Federal afirma que a documentação de Davi seria revista no curso de reciclagem, que estava previsto para maio de 2019. A PF afirma não ter como saber se, neste meio-tempo, algum vigilante que fez o curso foi condenado.

Advogado da empresa de segurança Groupe Protection, André França afirma que a checagem de ficha criminal é responsabilidade da PF. Afirma, ainda, que Davi permanece na empresa, mas está afastado até a investigação terminar.

Após pagamento de fiança de R$ 10 mil, Davi foi solto e deverá responder em liberdade pelo crime de homicídio culposo, quando não é intenção de matar.

Ainda no dia do ocorrido, o Extra lançou nota repudiando o ato:

“A rede esclarece que repudia veemente qualquer ato de violência em suas lojas. Sobre o fato em questão, a empresa já abriu uma investigação interna e constatou de forma inicial que se tratou de uma reação a tentativa de furto a arma de um dos seguranças da unidade da Barra da Tijuca.

Após o indivíduo ser contido pelos seguranças, a loja acionou a polícia e o socorro imediatamente. A empresa já abriu um boletim de ocorrência e está contribuindo com as autoridades para o aprofundamento das investigações.”

Fonte: Estado de Minas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.