fbpx
Esportes

Concessão do Maracanã será investigada por deputados do Rio

A Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) vai investigar o contrato de concessão do Maracanã.

Antes do Carnaval, no dia 28, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) protocolou o pedido de abertura de comissão especial para apurar “desmandos, má gestão e improbidade administrativa no esporte de alto rendimento” do Rio.

Ele obteve 41 assinaturas de parlamentares para a abertura da comissão, que tem função semelhante à de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), mas sem os mesmos poderes. Os deputados não podem, por exemplo, intimar personalidades para depor, apenas convidar.

Os parlamentares foram obrigados a criar a comissão especial porque a Alerj já tem sete CPIs em funcionamento, o número máximo previsto.

A intenção dos deputados é conseguir a instalação da comissão especial até o final do mês. A próxima sessão na Alerj será na terça (12), quando os integrantes do grupo deverão ser definidos.

“Não dá para trabalhar nessa comissão sem ir fundo no contrato do Maracanã”, disse o deputado do PSL, que ganhou notoriedade após destruir durante a campanha uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, morta no ano passado. Ele foi o deputado mais votado da Alerj, com 140 mil votos.

O Maracanã é administrado pela Odebrecht desde 2013 após uma bilionária reforma, que custou R$ 1,2 bilhão ao governo de Sérgio Cabral.

Em setembro, o ex-governador foi condenado a 12 anos e 10 meses de prisão por crimes de fraudes a licitações na reforma do Maracanã e no PAC das favelas.

Pelo acordo, a Odebrecht, que também participou da reforma, se comprometeu a investir R$ 594 milhões nos 35 anos da concessão, e a pagar outorga (espécie de aluguel) anual de R$ 5,5 milhões, o que não aconteceu até agora.

No período em que comandou o estádio, a empresa já quis abrir mão do contrato, mas não chegou a um acordo com o estado, então administrado por Luiz Fernando Pezão, também preso por corrupção.

O governador do Rio, Wilson Witzel, disse na campanha que pretendia rever o contrato de licitação.

Em setembro, a Justiça havia anulado a concessão. O juiz da 9ª Vara de Fazenda Pública do Rio, Marcello Leite, alegou que o consórcio liderado pela Odebrecht foi “diretamente beneficiado”.

Na decisão, o magistrado afirma que foi “invertida a lógica do contrato de parceria público-privada (PPP)” do estádio, assinado em 2013.

A relatoria da comissão especial deve ficar com o deputado Alexandre Knoplock (PSL). Pelo regimento da Alerj, a comissão pode durar até sete meses.

Os deputados pretendem priorizar o futebol no trabalho da comissão. Amorim quer convidar jogadores e dirigentes para depor.

“O futebol do Rio de Janeiro é uma caixa preta, uma ação entre amigos que privilegia apenas alguns grupos”, disse o deputado.

“Quando vimos aquele pavoroso episódio dos portões fechados numa final de Taça Guanabara, ultrapassamos o limite da nossa paciência. Não dá mais. Precisamos de contratos bem executados, respeitados, e não dessas aberrações dos governos anteriores. Precisamos de segurança jurídica para que o esporte volte a gerar boas notícias para o estado do Rio”, acrescentou.

No mês passado, Fluminense e Vasco começaram a decisão do título do primeiro turno do Estadual do Rio sem a presença da torcida. Os fãs só entraram no meio do primeiro tempo após a Justiça determinar a abertura dos portões.

Segundo o deputado, a comissão também pretende apurar o legado olímpico deixado na cidade. “Quero fazer uma devassa na indústria milionária do esporte de alto rendimento. Vamos voltar a analisar o legado olímpico, investigar as renúncias fiscais para grupos de amigos dos governos passados, tudo. O estado pagou muito essa conta”, completou. Com informações da Folhapress.

Fonte:Esporte ao Minuto

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.