fbpx
Entretenimento

Carybé vai a Portugal com exposição ‘Aquarelas do Descobrimento’

Entre 9 de março e 4 de maio, o Palácio da Independência, em Lisboa, vai receber a exposição “Carybé – Aquarelas do Descobrimento”. São 52 obras do artista plástico brasileiro, sobre a carta de Pero Vaz de Caminha, que conta à Coroa Portuguesa os descobrimentos feitos pela frota de Pedro Álvares Cabral. A exposição se inicia no mesmo dia em que o navegador deixou Lisboa para descobrir o Brasil em 1500. A entrada é gratuita.

As obras retratam a primeira impressão dos portugueses a avistarem as terras da Ilha de Vera Cruz. Esse é o primeiro nome das terras que, mais tarde, se chamariam Brasil por causa da abundância de pau-brasil. A árvore, inclusive, aparece na exposição.

“Carybé foi um exímio desenhista e aquarelista, arte aparentemente simples, mas que exige maestria técnica e não permite correções. Partindo do relato escrito por Caminha, usou sua imaginação e conhecimento, para transformá-lo em imagens, dando-nos a sensação de termos testemunhado os acontecimentos que há mais de cinco séculos deram origem ao Brasil”, afirmou Solange Bernabó, filha de Caybé e curadora da exposição.

“Carybé – Aquarelas do Descobrimento” tem o apoio da Embaixada brasileira em Lisboa, que ressalta a importância das obras para Portugal e Brasil.A vertente cultural é dos pilares mais importantes do relacionamento entre Brasil e Portugal. É a primeira vez que esta exposição sai do Brasil e o destino não poderia ser outro, que não Portugal. Temos a expectativa de que as obras, por sua delicadeza, beleza e sentido histórico, atraiam grande público para a exposição”, explicou o embaixador do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo Machado.

Perfil

Carybé nasceu como Hector Julio Páride Bernabó, em Lanús, na Argentina em 1911. Passou a infância e a adolescência no Rio de Janeiro. Foi aos 8 anos, como escoteiro no Clube de Regatas Flamengo e membro da Patrulha dos Peixes, que surgiu a alcunha. Eles escolheu o nome para se tornar a feroz piranha Pygocentrus Cariba, a temida “Caribé Capa-burro” — ou Piranha Vermelha — das margens dos rios Orinoco e Amazonas.

Do Rio de Janeiro, Carybé viajou o mundo até mudar-se em definitivo para o Brasil em 1949. Naturalizou-se brasileiro oito anos depois e viveu em Salvador até a sua morte, em 1997. A relação do artista com o país que escolheu sempre esteve declarada na sua obra. Tanto nas diversas exposições que realizou pelo mundo, quanto em trabalhos que levavam a sua arte para o quotidiano das pessoas, como o mapa do Brasil personalizado que decorava os aviões Electra II, da Varig, nos anos 60, e os murais em fachadas de prédios comerciais de vários estados brasileiros. Carybé também ilustrou livros de autores importantes como Gabriel García Márquez, Pierre Verger e do seu grande amigo Jorge Amado. Com informações da assessoria de imprensa.

Serviço

CARYBÉ – AQUARELAS DO DESCOBRIMENTO EM LISBOA

Palácio da Independência

Endereço: Largo de São Domingos, 11, Rossio (Ao pé do Teatro Nacional Dona Maria II)

De 9 de março até o dia 4 de maio

Horários de funcionamento: De segunda a sexta-feira: das 9h às 19h – Sábado: das 11h às 21h.

Entrada gratuita

A exposição fica em cartaz de 9 de março até o dia 4 de maio

Fonte:Cultura ao minuto

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.