DestaqueGeral

Câmara vai desburocratizar legislação municipal  

O grande número de leis existentes e as que já não se adequam mais à realidade atual podem trazer sérias consequências para o cidadão e deixar processos públicos mais morosos. Com a intenção de reduzir esse tipo de burocracia e atualizar a nossa legislação, a Câmara vai iniciar um amplo processo de estudo e ações nesse sentido com a criação de uma Comissão Especial de Estudo que vai identificar e revogar leis obsoletas. Na sessão ordinária realizada na terça-feira (4) os vereadores de Pouso Alegre aprovaram o Projeto de Resolução Nº 1325/2020 que institui a Comissão Especial, que será composta por três vereadores e contará com auxílio de servidores da Câmara, com o prazo de 90 dias para trabalhar.

De autoria da Mesa Diretora, o projeto foi aprovado por todos os vereadores. “Nossa intenção é dar celeridade aos processos. Além de produzir as leis, é nosso dever verificar quais leis têm real efetividade e quais não têm. Existe ainda conflito de normas jurídicas que tratam do mesmo assunto; revogações implícitas; leis inconstitucionais. Tudo isso afeta diretamente a qualidade da legislação existente no ordenamento jurídico”, justifica o presidente da Câmara, vereador Rodrigo Modesto (PTB).

Demais proposições discutidas: 

Foi apreciado e aprovado em Plenário o Parecer Contrário da Comissão de Legislação, Justiça e Redação ao Projeto de Lei Nº 7349/2017; com isso, a Emenda Nº 01 ao Projeto de Lei Nº 7349/2017 que estava na pauta deixou de ser apreciada.

Já o Projeto de Lei Nº 7349, de autoria do vereador André Prado (PV) foi retirado de pauta a pedido do autor.  O projeto cria a obrigatoriedade dos hospitais, prontos atendimentos, policlínicas e unidades básicas de saúde a expor em lista afixada quais são os médicos que estão de plantão naquele dia. Na pauta, havia ainda o Projeto de Emenda Nº 2 ao mesmo projeto, mas foi arquivada a pedido próprio autor, vereador Bruno Dias (PR).

Já o Projeto de Lei Nº 7409/2019, que trata da proibição dos fogos de artifício, teria sua segunda apreciação em Plenário, mas foi retirado de pauta a pedido do próprio autor do Projeto, vereador Campanha (Pros).

Em segundo turno foram aprovados o Projeto de Lei Complementar nº 8/2020 e  o Projeto de Lei Nº 1060/2020 que tratam do fim do Apostilamento. A prática do Apostilamento existia na Prefeitura Municipal desde o ano de 2006 e garantia que servidores públicos que já ocuparam cargos comissionados continuassem a receber os salários referentes ao cargo mesmo depois de não desempenharem mais aquela função.

Também foi aprovado o Projeto de Resolução Nº 1312/2018 estendendo a licença-paternidade dos servidores da Câmara, que antes de cinco dias e agora acrescenta mais quinze dias. Com a moderna reconfiguração da estrutura familiar, em que os homens são chamados diretamente a exercer a paternidade responsável, auxiliando as mães nos primeiros cuidados com os filhos, promulgou-se a Lei Federal n. 13.257, de 2016. Por essa lei, fica concedido o direito à prorrogação da licença-paternidade em 15 dias, além dos 5 dias estabelecidos no art. 10, §1º, do ADCT. Entende-se, porém, que, dada a autonomia organizativa dos Poderes da República, cada ente público deve editar, no âmbito da respectiva competência, ato normativo destinado a regular a prorrogação da licença-paternidade. Já adotam a mesma medida entidades como Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Ministério Público de Minas Gerais; Defensoria Pública de Minas Gerais; dentre outros.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios