DestaquePolítica

Bolsonaro mira ‘eleitor fiel’ em declarações polêmicas, avaliam analistas

Cientistas políticos e professores ouvidos pelo 'Estado' entendem que falas polêmicas do presidente da República servem para mobilizar base de apoio

Analistas ouvidos pelo  Estado  avaliaram nesta terça-feira, 30, que as  declarações polêmicas  do presidente  Jair Bolsonaro  nos últimos dias têm como objetivo mobilizar o ‘eleitor fiel’ do  presidente da República, estimado em pouco mais de um terço do eleitorado nas últimas pesquisas. Segundo eles, a estratégia alimenta  a polarização do sistema político e da sociedade, mas pode provocar consequências como o desgaste perante outros segmentos da população e dificultar a governabilidade.

Para o professor Fernando Schüler, do Insper, o presidente tem o diagnóstico de que o Brasil é hoje uma democracia polarizada e tem um sistema político radicalizado, onde há pouco espaço para consensos. Segundo ele, é uma leitura coerente com a trajetória política de Bolsonaro, que apostou na estratégia de tensão e assim chegou à Presidência.

“Quando analisamos a estratégia política, temos que pensar na alternativa. Qual seria? Se colocar como um político moderado e distante das polêmicas? Isso teria consequências e contradiz o perfil pessoal e o histórico dele. A personalidade não é uma coisa menor na política e ela afeta as escolhas”, afirma.

Schüler questiona se seria interessante trocar a base segura que apoia o presidente por um suporte político de base genérico e incerto, localizado mais ao centro do espectro político. “Vale a pena desmobilizar a base, um terço do eleitorado, e passar a representar o figurino de um estadista moderado que não é exatamente o estilo que ele sabe de fazer política?”, afirma, ressaltando que se trata de um jogo de risco pois pode comprometer a governabilidade.

‘Cortina de fumaça’

Na avaliação do professor de filosofia da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP),  Luiz Bueno, quando o presidente faz comentários polêmicos, consegue tirar o foco de problemas do governo. “São declarações de alguma maneira ‘diversionistas’. Elas capturam atenção do público e desviam de algo mais grave”, sugere. Também diz que o presidente pode ganhar mais fidelidade de seu eleitorado. “É possível que esse grupo leal permaneça até mais leal”.

Na mesma linha, o cientista político e professor emérito da Universidade de Brasília , David Fleischer, entende que o presidente ganha pontos com sua base quando faz declarações polêmicas e consegue usar a estratégia de chamar atenção para outros aspectos do governo. “Às vezes pode servir como uma cortina de fumaça para distrair”.

Analistas ouvidos pelo  Estado  avaliaram nesta terça-feira, 30, que as  declarações polêmicas  do presidente  Jair Bolsonaro  nos últimos dias têm como objetivo mobilizar o ‘eleitor fiel’ do presidente da República, estimado em pouco mais de um terço do eleitorado nas últimas pesquisas. Segundo eles, a   estratégia alimenta  a polarização do sistema político  e da sociedade, mas pode provocar consequências como o desgaste perante outros segmentos da população e  dificultar a governabilidade.

Para o professor  Fernando Schüler, do Insper, o presidente tem o diagnóstico de que o Brasil é hoje uma democracia polarizada e tem um sistema político radicalizado, onde há pouco espaço para consensos. Segundo ele, é uma leitura coerente com a trajetória política de Bolsonaro, que apostou na estratégia de tensão e assim chegou à Presidência.

“Quando analisamos a estratégia política, temos que pensar na alternativa. Qual seria? Se colocar como um político moderado e distante das polêmicas? Isso teria consequências e contradiz o perfil pessoal e o histórico dele. A personalidade não é uma coisa menor na política e ela afeta as escolhas”, afirma.

Schüler questiona se seria interessante trocar a base segura que apoia o presidente por um suporte político de base genérico e incerto, localizado mais ao centro do espectro político. “Vale a pena desmobilizar a base, um terço do eleitorado, e passar a representar o figurino de um estadista moderado que não é exatamente o estilo que ele sabe de fazer política?”, afirma, ressaltando que se trata de um jogo de risco pois pode comprometer a governabilidade.

‘Cortina de fumaça’

Na avaliação do professor de filosofia da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Luiz Bueno, quando o presidente faz comentários polêmicos, consegue tirar o foco de problemas do governo. “São declarações de alguma maneira ‘diversionistas’. Elas capturam atenção do público e desviam de algo mais grave”, sugere. Também diz que o presidente pode ganhar mais fidelidade de seu eleitorado. “É possível que esse grupo leal permaneça até mais leal”.

Na mesma linha, o cientista político e professor emérito da Universidade de Brasília, David Fleischer, entende que o presidente ganha pontos com sua base quando faz declarações polêmicas e consegue usar a estratégia de chamar atenção para outros aspectos do governo. “Às vezes pode servir como uma cortina de fumaça para distrair”.

O que perde?

Para Fleischer, no entanto, a estratégia “cria mais problemas do que resolve”. “Nem sempre são assuntos muito importantes para um presidente se importar. Ele é uma pessoa extremamente impulsiva e isso diminui seu raio de atuação, ele está alienando muita gente com essas ações”.

Para Luiz Bueno, da FAAP, o presidente pode perder apoio de pessoas que não integram o grupo de “adesão automática” ao bolsonarismo, deixar de angariar apoios no Congresso Nacional e pode prejudicar sua imagem.

“Tenho a impressão de que se perde muito mais do que se ganha com esse estilo. Parece que o presidente entende que vai agradar todo o eleitorado com esse comportamento, mas na verdade não. Uma grande parte do eleitorado dele não era bolsonarista, era antipetista. O grupo que ele atende com essas declarações não é o que vai elegê-lo novamente, já vemos o apoio diminuindo”.

O professor pondera, no entanto, que notícias de caráter positivo no plano econômico como a reforma da previdência e o acordo Mercosul-União Europeia, mantêm certa condescendência com essas declarações.

Fernando Schüler, do Insper, vai na mesma direção: para ele, até existe certo desconforto com o estilo presidencial, mas há um forte apoio à sua agenda econômica. “A mim parece que ele governa com duas mãos: em uma, a guerra cultural, muito forte na internet, e a outra são as pautas econômicas”.

Consequências

Para o cientista político e professor da FGV Marco Antonio Carvalho Teixeira, com esse estilo o presidente pode começar a perder apoio de importantes aliados, como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que se posicionou contra a declaração do presidente sobre a morte de Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz.

“Bolsonaro começa a perder confiança de vários segmentos, estão sobrando apenas os fanáticos fundamentalistas que veem no presidente o modelo da sociedade que imaginaram”, diz o cientista político.

Fonte
Estadão
Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios