fbpx
Nacional

Apenas 8% dos brasileiros com mais de 60 anos ainda trabalham

Com a reforma da Previdência, esse número vai ter que subir, pois os maiores de 50 anos estão na mira do governo

Os brasileiros com 60 anos ou mais correspondem a 19% das pessoas em idade de trabalhar, mas somente 8% estão na ativa.

Com a reforma da Previdência, esse número vai ter que subir, pois os maiores de 50 anos estão na mira do governo. A proposta é definir idade mínima de 65 anos (homens) e 62 (mulheres) no benefício.

No último trimestre de 2018, 93 milhões de brasileiros estavam trabalhando, nem todos com carteira assinada. Desse total, 7,5 milhões têm a partir de 60 anos, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do último trimestre de 2018. Os idosos são quase 16% da população.

Em 2015, último ano em que a informação foi divulgada pelo IBGE, 5,188 milhões de aposentados trabalhavam.

Seguir no mercado após os 60 anos, porém, pode não ser tão fácil. A coordenadora do curso de capacitação em RH da FGV (Fundação Getulio Vargas) e mentora de carreiras Anna Cherubina diz que são muitos os desafios em um mercado que está em profunda transformação.

Para a pesquisadora Ana Amélia Camarano, do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a força de trabalho madura, que inclui quem tem de 50 a 64 anos, é que vai ser primeiramente afetada pela reforma.

Ela considera a idade mínima ainda menos preocupante ante o tempo de contribuição proposto, que subirá de no mínimo 15 anos para 20.

O que mais afeta a empregabilidade é a qualificação, a capacidade de a pessoa acompanhar as mudanças tecnológicas. Depois, vem a saúde. Um funcionário de saúde frágil falta muito e sofre mais com questões de mobilidade, por exemplo.

Segundo a pesquisadora, vem caindo o número de trabalhadores na faixa dos 60 a 64 anos. Em 1992, 400 mil eram ‘nem nem’, pois não trabalhavam, mas também não estavam aposentados. No ano passado, esse número bateu 2 milhões. “É uma população muito fragilizada. É necessário ter uma política de emprego”, afirma.

MUDANÇAS

A proposta da gestão Jair Bolsonaro (PSL) é acabar com a aposentadoria por tempo de contribuição e permitir somente o benefício após os 60 anos. Na PEC (proposta de emenda à Constituição) enviada em 20 de fevereiro, o governo propõe idade mínima de 62 anos, para mulheres, e 65, para homens, a partir de 2031.

Na quinta-feira (28), o presidente admitiu a possibilidade de reduzir a idade das seguradas para 60. Essa idade mínima não será aplicada imediatamente. Ela começa em 61 anos, para os homens, e 56, para mulheres. Os trabalhadores mais novos terão outras duas opções para escapar dessa idade.

PREPARE-SE

Para quem está nessa etapa de pré-aposentadoria e pensa na possibilidade de trabalhar mais do que o planejado inicialmente, a consultora Anna Cherubina recomenda reorganização.

“Uma coisa super importante é se atualizar sempre e tentar enxergar possibilidades que tenham a ver com o perfil do trabalhador, que sejam prazerosas.”

Anna diz que os cuidados com a saúde são essenciais.

“A experiência é muito importante para as empresas, mas a vitalidade fará muita diferença, pois ninguém vai contratar alguém doente.”

REAÇÕES

As centrais sindicais já preparam reação à apresentação da proposta de reforma. Além de uma agenda unificada de protestos, CUT e Força Sindical devem começar um corpo a corpo com parlamentares para cobrar alterações, especialmente nas novas regras de acesso e em benefício como aposentadoria rural e BPC.

Outras instituições, como a OAB-SP e o Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários), preparam emendas alterando pontos do projeto. As propostas devem ser apresentadas a deputados. Federações que representam servidores do Judiciário também preparam uma investida contra a PEC ainda na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a primeira pela qual passará a proposta. Com informações da Folhapress.

Notícias ao Minuto

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.