Menu
sapucanet.fw.jpg

Fernando Pimentel está na lista de Janot, que tem ao menos mais 22 novos nomes Destaque

Fernando Pimentel está na lista de Janot, que tem ao menos mais 22 novos nomes

Os pedidos de investigação de Pimentel e dos demais governadores precisam ser enviados para o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A lista de pedidos de inquérito enviados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nessa terça-feira (14), ao Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas delações da Odebrecht inclui o ministro Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), além de cinco governadores, senadores e deputados, num total de 22 novos nomes, segundo revelou o "Jornal Nacional" da Rede Globo.


Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que delatores da empreiteira informaram aos investigadores que Pereira negociou um repasse de R$ 7 milhões do caixa 2 da Odebrecht para o PRB na campanha de 2014. Os recursos compraram apoio do partido, então presidido por Pereira, para a campanha à reeleição da chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer.

Também estão na "lista de Janot", conforme o "Jornal Nacional", os governadores de Alagoas, Renan Filho (PMDB); do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB); de Minas, Fernando Pimentel (PT); do Acre Tião Viana (PT); e do Paraná, Beto Richa (PSDB). Os pedidos de investigação de governadores precisam ser enviados para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tem competência para investigar chefes do executivo estadual.

De acordo com o telejornal, estão na lista de investigados ainda os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Jorge Viana (PT-AC), Marta Suplicy (PMDB-SP) e Lídice da Mata (PSB-BA). Na Câmara, são alvo de pedidos de abertura de inquérito Marco Maia (PT-RS), Andrés Sanchez (PT-SP), Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), José Carlos Aleluia (DEM-BA) e Paes Landim (PTB-PI). 

Serão remetidos para outras instâncias, por não terem foro no STF nem no STJ, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB), os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Edinho Silva, o ex-assessor da presidência Anderson Dorneles, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Outros cinco ministros das 29 pastas da gestão Temer - Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Kassab (PSD), das Comunicações, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), das Relações Exteriores -, além de parlamentares, a cúpula do Congresso e os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff também são alvo dos pedidos. 

Defesas

Ministro

Marcos Pereira (PRB), da Indústria e Comércio Exterior. Disse que o PRB teve as contas aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Governadores

Renan Filho (PMDB), de Alagoas: declarou que toda doação recebida na campanha foi legal.

Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio: disse desconhecer o teor do pedido de Janot.

Fernando Pimentel (PT), de Minas: não se manifestou.

Tião Viana (PT), do Acre: não se manifestou.

Beto Richa (PSDB), do Paraná: afirmou que desconhece o contexto em que é citado e que doações foram declaradas.

Senadores

Lindbergh Farias (PT-RJ): declarou que as investigações vão esclarecer os fatos e que o arquivamento é único desfecho possível.

Jorge Viana (PT-AC): não respondeu aos contatos.

Marta Suplicy (PMDB-SP): não respondeu aos contatos.

Lídice da Mata (PSB-BA): disse que não foi notificada oficialmente e afirmou ter confiança de que tudo será esclarecido.

Deputados

Marco Maia (PT-RS): disse desconhecer o teor do pedido de Janot e repudiar a "divulgação seletiva de informações". Afirmou que só recebeu contribuições legais.

Andres Sanchez (PT-SP): negou irregularidades e afirmou que não há provas contra ele.

Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA): não se manifestou.

José Carlos Aleluia (DEM-BA): disse que só recebeu doações legais e declaradas à Justiça.

Paes Landim (PTB-PI): afirmou que todas as doações recebidas foram legais.

Prefeitos

Duarte Nogueira (PSDB), de Ribeirão Preto: declarou que todas as contas de campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Edinho Silva (PT), de Araraquara: afirmou que sua conduta como coordenador financeiro da campanha de Dilma se deu dentro da legalidade e de forma ética.

Outros

Geddel Vieira Lima (PMDB), ex-ministro: não se manifestou.

Sérgio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio: informou que só vai se manifestar quando for notificado oficialmente.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara: disse que as delações da Lava Jato não têm sido amparadas em provas.

Paulo Skaf (PMDB-SP), presidente da Fiesp: disse que todas as doações de campanha em 2014 foram legais e aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Anderson Dornelles, ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff: não foi localizado.


Agência Estado

 

Última modificação emQuinta, 16 Março 2017 14:13

Comentar usando o Facebook:

voltar ao topo

logo sapuca

 

Últimas Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
Prev Next
Info for bonus Review bet365 here.

Whatsapp banner