Menu
sapucanet.fw.jpg

11 mentiras batidas sobre feminismo que precisam parar de ser repetidas Destaque

11 mentiras batidas sobre feminismo que precisam parar de ser repetidas

Ao ser questionada pela revista norte-americana TIME se era feminista ou não, Shailene Woodley, estrela em ascensão e protagonista dos sucessos “A Culpa é das Estrelas” e “Divergente”, deu a seguinte resposta: “Não sou porque amo os homens, e penso que a ideia de ‘elevar as mulheres ao poder, e tomar o poder dos homens’ nunca vai funcionar. É preciso equilíbrio”.

Equivocada por distorcer a real luta do feminismo, a fala, claro, ganhou repercussão global e nos faz questionar: você sabe mesmo o que é feminismo? Abaixo, com o auxílio de Lola Aronovich, professora do Departamento de Letras Estrangeiras na Universidade Federal do Ceará (UFC) e autora do blog Escreva Lola Escreva, e de Bia Cardoso, pedagoga e coordenadora do Blogueiras Feministas, mostramos que muitas das coisas que te falaram sobre o feminismo não passam de mentiras. Vamos lá:

1. O feminismo é uma ditadura.

Oi? Não. O feminismo é um movimento de luta para a emancipação das mulheres. O que o feminismo pede são direitos iguais. Para homens e mulheres. Uma feminista é uma pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica, como definiu a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adiche. Mas mais do que isso, como explica Lola:  “Hoje em dia, o feminismo é o combate a todas as opressões, não só de gênero, mas também de raça, orientação sexual, classe…” Você concorda com isso? Se a resposta é sim, bem, você é uma feminista. 

2. Feminismo é o contrário de machismo.

Mentira. Diferente do feminismo, que é um movimento social e político organizado, o machismo não é um movimento e, sim, uma estrutura da sociedade que oprime as pessoas, assim como o racismo. 

3. O feminismo só é bom para as mulheres.

Como uma sociedade igualitária pode ser vantajosa apenas para um dos lados? Em um famoso discurso durante o lançamento da campanha #HeForShe Emma Watson, embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres e atriz, explicou essa questão: “[Atualmente] homens também não têm o benefício da igualdade. Não queremos falar sobre homens sendo aprisionados pelos estereótipos de gênero, mas eles estão. Quando eles estiverem livres, as coisas vão mudar para as mulheres como consequência. Se homens não têm que ser agressivos, mulheres não serão obrigadas a serem submissas. Se homens não têm a necessidade de controlar, mulheres não precisarão ser controladas. Tanto homens quanto mulheres deveriam ser livres para serem sensíveis. Tanto homens e mulheres deveriam ser livres para serem fortes”.

4. Feminismo tem apenas um significado. 

Não. Ele é formado por diversas correntes, com diferentes visões, como qualquer outro movimento. “O que o feminismo não é é o que o senso comum muitas vezes diz: um bando de barangas mal amadas”, pontua Lola. A editora da RookieMag, revista online voltada ao público adolescente, Tavi Gevinson, em seu discurso no TEDxTeen, também compartilha da ideia: “Muitas garotas acham que para ser feministas elas precisam viver de forma coerente com suas crenças, nunca estar inseguras, nunca ter dúvidas, ter sempre as respostas… Mas isso não é verdade e as coisas ficaram fáceis quando eu entendi que feminismo não é um livro de regras, mas uma discussão, uma conversa, um processo”.

5. Toda feminista odeia os homens. 

Mentira. Lola explica que, na verdade, muito poucas feministas odeiam homens: “É só uma corrente ínfima do feminismo que diz que tudo bem odiar homens se a mulher passou por uma experiência traumática”. Mas é uma dúvida comum e, até pouco tempo atrás, a cantora Taylor Swift pensava assim também… “Como adolescente, eu não entendia que dizer que você é uma feminista é dizer que você quer que mulheres e homens tenham direitos iguais. O que parecia para mim, na maneira com que era expressado na cultura era de que você odeia homem. E agora, acho que muitas garotas estão tendo um ‘despertar feminista’ porque estão entendendo o que a palavra significa. Por muito tempo fizeram parecer como algo que você protesta contra o sexo oposto. Não é nada disso,” disse em entrevista ao The Guardian. 

6. Homens não podem ser feministas. 

Como explicado no tópico 4, o feminismo é bom para todo mundo, mas essa questão de designar um homem como feminista ainda é polêmica. “A verdade é que ainda não existe consenso ou uma resposta correta”, afirma Bia Cardoso. Para Lola, os homens não só podem, como devem ser feministas, eles apenas não podem querer o protagonismo: “Seria como se um branco quisesse liderar um movimento negro. Os homens devem usar o seu lugar de privilégio no mundo para poder influenciar outros homens”.

7. Para ser feminista é preciso ser ativista.

Claro que não! Para ser feminista você não precisa estar nas ruas. Só o fato de você concordar com os ideais da causa e tentar praticá-los no seu dia a dia já faz de você uma. “A Beyoncé obviamente nunca participou de uma Marcha das Vadias, mas isso não a impediu de colocar, por exemplo, a palavra “feminista” no palco do VMA. Marketing ou não, quanto mais se falar de feminismo melhor”, explica Bia. O que Lola completa: “Você pode definir ativismo como orientar e educar outras pessoas. Logo, se você mudar a cabeça de alguém, você pode estar fazendo ativismo”.

8. Passar make e usar roupas sensuais faz de você menos feminista.

Errado. O feminismo não é contra a maquiagem e muito menos contra o seu vestido curto, que você tem o direito de usar sem sofrer nenhum constrangimento ou assédio. São escolhas que só dizem respeito a você, assim como não passar maquiagem ou não se depilar. “O problema, na verdade, é a indústria da beleza que fomenta um padrão irreal, inalcançável”, comenta Bia.

9. Donas de casa não podem ser feministas.

Quem disse? A ideia do feminismo é você ser você do jeito que quiser. “A dona de casa é o primeiro papel da mulher dentro da sociedade e precisa ser valorizada”, avalia Bia. Se você é feliz assim, continue assim. Escolher cuidar do lar não faz de você menos feminista. “É sempre bom lembrar que não é o feminismo que desvaloriza o trabalho doméstico – é o machismo”, pontua Lola. Mas Chimamanda, ainda em seu discurso “We Should All Be Feminists”, atenta para uma questão: “É esperado de mim que eu faça escolhas sempre pensando que o casamento é o mais importante. Ele pode ser… uma fonte de alegria e amor e respeito mútuo. Mas por que nós ensinamos as garotas a sonhar com o casamento e não ensinamos os garotos o mesmo?”

10. Para ser feminista você não pode deixar o homem pagar a conta ou abrir a porta do carro.

Aceitar gentilezas de um homem ou de qualquer outra pessoa não faz você menos feminista. Mas, veja bem, pagar a conta, abrir a porta do carro, comprar flores… Você também pode fazer todas essas coisas, assim como segurar a bolsa de um desconhecido no metrô ou ônibus. O feminismo prega que você pode tudo, pode inclusive ser presidente de uma grande empresa, caso queira. 

11. O feminismo divide as mulheres.

Como um movimento que prega a igualdade pode ser excludente? O que pode existir são pessoas que não entenderam o verdadeiro significado da palavra e que não se deram conta de que o machismo é o verdadeiro vilão, que ele criou a rivalidade entre as mulheres. “Acho muito bom que as mulheres passem a se apoiar e esqueçam essa ideia de que mulher é invejosa. Não são. Isso é uma ideia que colocaram… Por exemplo, a mídia é toda voltada para quem é a mais bonita, a melhor mãe… Você não vê essa competição em relação aos homens”, finaliza Bia.

Comentar usando o Facebook:

voltar ao topo
objetivo.jpg

logo sapuca

 

cia medica

Info for bonus Review bet365 here.

Whatsapp banner